PS

1. Partido esquizofrénico, de nome socialista, mas com o socialismo na gaveta. Gasta tudo o que pode até dar cabo do défice (como Guterres em 2000) ou, em alternativa, aperta o cinto dos portugueses até fazer sangue, sem qualquer plano verdadeiro, descobrindo o prazer da arrogância. Desbaratou a herança de Cavaco Silva e Durão Barroso.

2. Partido de esquerda moderna descomplexada, representante da verdadeira social-democracia, defensor simultâneo da economia de mercado e da justiça social. Diminuiu em poucos anos o pesado défice deixado pelo PSD em 1995. Em 2005, demonstra a coragem que lhe negavam para enfrentar interesses instalados.

Enviar um comentário